Mercado espera 4 milhões de moradias na 3ª fase do Minha Casa, Minha Vida

Mercado espera 4 milhões de moradias na 3ª fase do Minha Casa, Minha Vida

A segunda fase do Minha Casa, Minha Vida ainda nem foi concluída, mas o setor de construção civil já aguarda com ansiedade o lançamento oficial da terceira etapa do programa, previsto para este mês. São esperadas entre 3 e 4 milhões de novas unidades habitacionais em todo o Brasil. Será a maior meta do programa, que desde o seu início, em 2009, soma 3,4 milhões de unidades contratadas – sendo 1,6 milhão entregues até agora. O investimento na terceira etapa deve chegar a R$ 130 bilhões.

A presidente Dilma Rousseff chegou a confirmar o dia 29 de maio como data de lançamento do MCMV, mas o governo recuou. Para representantes do setor, o adiamento tem razões políticas. O plano que seria apresentado previa menos moradias do que o projeto anunciado pelo pré-candidato à presidência pelo PSB, Eduardo Campos. O governo estaria agora tentando turbinar a proposta inicial, que previa 3 milhões de unidades. “Imaginamos, no mínimo, quatro milhões de unidades”, diz o vice-presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon) no Paraná, Waldemar Troppa Júnior.

Para Mounir Chaowiche, presidente da Companhia de Habitação Popular do Paraná (Cohapar), o governo deve concentrar os esforços da terceira etapa na faixa 1 do MCMV, que atende famílias com renda menor. As condições, o número exato de residências e os volumes de recursos ainda estão sendo debatidos pelo governo. A presidente sinalizou que pretende incluir os sem-teto no programa.

Expectativa

Na linha de frente do Minha Casa Minha Vida, as construtoras esperam que a terceira etapa contemple uma revisão dos valores de aquisição das unidades – no Paraná, os limites são de R$ 100 mil para a faixa 2 e R$ 170 mil para a faixa 3. A principal reclamação é a escalada no preço dos terrenos, sobretudo nas capitais. “Esperamos um reajuste de 10% a 12%, que acompanhe a evolução do mercado. Em 2009, em Ponta Grossa, pagamos R$ 3,2 milhões em um terreno para 464 unidades. Hoje negociamos uma área próxima, com a mesma metragem, por R$ 8 milhões”, explica Victor Mendes, da FMM Engenharia, que tem 95% dos empreendimentos habilitados no MCMV. “O anúncio da terceira fase é importante para que possamos nos planejar”, afirma Newton Borges dos Reis, diretor da Construtora Conceito e Moradia, focada em empreendimentos da faixa 3.

Altamente subsidiada pelo poder público, a faixa 1 é o maior gargalo do programa. Segundo as construtoras, a defasagem dos preços (no Paraná, o teto é de R$ 64 mil) desestimula novas contratações, queixa que encontra ressonância nas companhias de habitação. “Um valor justo para essa faixa seria R$ 95 mil para pagar terreno, infraestrutura e a construção”, diz o diretor-presidente da Cohab, Ubiraci Rodrigues.

Cohab defende renda e preços maiores para a faixa 1 do MCMV

O governo, por meio do Ministério das Cidades, está reunindo contribuições do setor para a terceira fase do programa. A Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Cohab) e a Companhia de habitação do Paraná (Cohapar) apresentaram suas propostas durante reunião que aconteceu semana passada, no ministério, com 22 entidades ligadas à habitação em 16 estados. “Precisamos avançar na melhoria da política de habitação. Para isso, é preciso atualizar os valores de renda para a faixa 1 e o preço das unidades, que hoje estão defasados”, afirma Mounir Chaowiche, presidente da Cohapar.

A viabilização do programa em municípios com menos de 50 mil habitantes e aspectos ligados à urbanização, como a retirada de famílias de áreas de risco, fizeram parte das propostas levadas ao ministério. Em Curitiba, a fila da Cohab tem 84 mil famílias à espera de uma residência. Destas, 42 mil se enquadram na faixa 1 do Minha Casa, Minha Vida.

Terrenos caros pressionam o custo das obras

Com o aumento do custo dos terrenos nas capitais, o empreendimentos da faixa 1 do Minha Casa Minha Vida migram para cada vez mais longe dos centros urbanos e em áreas sem nenhuma infraestrutura básica. Prestes a serem entregues, os residenciais Aroeira e Imbuia, da FMM Engenharia, no bairro Santa Cândida, em Curitiba, somam mil unidades para famílias que ganham até R$ 1.600 por mês.

Até agora a prefeitura de Curitiba investiu R$ 9,5 milhões em infraestrutura nas proximidades dos residenciais. “Para colocar essas famílias lá, precisamos criar toda uma infraestrutura com escola, posto de saúde, creche, escola estadual e linhas de ônibus”, detalha o diretor-presidente da Cohab, Ubiraci Rodrigues.

 

Segundo ele, a concentração das unidades acaba gerando a necessidade de levar serviços para essas regiões. “Uma saída seria construir em vazios urbanos, aproveitando a infraestrutura já existente”, diz. O governo federal aportou R$ 64 milhões nos dois residenciais.

*Reportagem retirada do site www.gazetadopovo.com.br*

Acesse o link para conferir o infográfico de balanço e mais informações sobre o projeto:
http://www.gazetadopovo.com.br/economia/conteudo.phtml?id=1475746&tit=Mercado-espera-4-milhoes-de-moradias-na-3-fase-do-Minha-Casa-Minha-Vida

Inicio das obras Max Muffato

Inicio das obras Max Muffato

Gigantes do mercado imobiliario recorrem ao Minha Casa Minha Vida

Gigantes do mercado imobiliario recorrem ao Minha Casa Minha Vida

Construcao dos acessos do Viaduto Pompeia comeca no fim do mes

Construcao dos acessos do Viaduto Pompeia comeca no fim do mes